NOTÍCIAS
DROPDEAD pelo mundo.
16/11/2015
DRop Dead x Helge Tscharn
Apresentamos para você a nossa collab com um dos melhores fotografos de skate do mundo, nosso alemão favorito, mr. Helge Tscharn.

O que seria do skate sem a fotografia? Essa é uma pergunta filosófica que nem precisa de resposta. O skate e a fotografia sempre andaram lado a lado e, com os avanços da tecnologia, essa parceria entre fotografo e skatista fica cada vez mais popular, de fácil acesso. Entre tentativas, erros e acertos, os fotógrafos de hoje conseguem saber instanteneamente se captaram, ou não, o momento certo de uma manobra. Mas obviamente sabemos que nem sempre foi assim. Existe a velha guarda de fotógrafos de skate, donos de um "feeling" absurdo, que registram o momento de uma manobra com uma precisão cicurgica. Que com o talento antes adquirido, unido a tecnologia, se tornam as maiores referêcnias fotográficas na industria do skate. Um desses fotógrafos é Helge Tscharn. Nosso amigo alemão e responsável da nossa mais nova collab. Conheça um pouco sobre ele com algumas perguntas e conheça ele ainda mais observando suas obras de arte.  Com vocês, mr. Helge Tscarn:

 

Helge fazendo uma selfie. Talvez a única selfie de respeito que você já viu.

Uma breve descrição de seu perfil como um fotógrafo. Como você descreveria o seu trabalho e por que você é tão apaixonado por ele?

Nasci em 1965, começei a tirar fotos aos 12 anos. Trabalho para revistas skate desde 1981. Trabalhei 25 anos para a Monster Skate Magazine, na Alemanha como editor de fotografia. Me mudei para o Brasil há 8 anos e ainda trabalho para a música e a indústria do skate mundial.

Fotografia de skate me satifaz 100%. Sem skate não seria capaz de viver minha vida como eu faço até hoje. Sou realmente grato por isso.

Como, onde e por que você decidiu pegar uma câmera pela primeira vez?

O pai do meu melhor amigo era fotógrafo, então fiquei interessado. Ele me deu a opção de usar todo o seu equipamento para que eu tivesse todas as possibilidades do mundo. A partir da 24x36, câmara escura, médio formato até câmeras de plano de 18x24 cm. Foi incrível.

Como você descreveria suas fotos e sua conexão com o skate?

Eu nunca quis apenas fotografar a manobra, eu sempre tentei combiná-la com arquitetura ou diferentes origens.

Qual é seu objetivo por trás de suas fotos?

Quero passar o verdadeiro sentimento nas minhas fotos.

Você poderia compartilhar conosco o mais estranho trabalho ou idéia que você já fez relacionado com a sua fotografia?

As fotos mais malucas que fiz foram em um half pipe numa geleira, as fotos para a Skateboarding com o "Gonz" em um museu, os obstáculos construídos na floresta, as rampas em Dubai de 30 mil dólares e algumas que fiz em navios e arranha-céus.

Você dividi o seu tempo entre suas fotos, skate e outras atividades?

Tudo e todos ao meu redor estão envolvidos com o skate.

Onde você encontra a motivação ou a inspiração de levar sua câmera a cada dia? Você ainda tem tempo livre?

Fotografar não é nenhum trabalho para mim, claro, há sempre tempo para fazer outras coisas como tocar guitarra ou sair com a minha família.

Você poderia explicar quais são os seus métodos de trabalho e do processo criativo? Digital vs. analógica?

Eu uso máquina digital porque é rápido para trabalhar, eu sei exatamente o que eu quero nesse processo e é muito rápido.

O mundo me forçou a fotografia digital, não havia nenhuma maneira de ficar fora disso. Analógico ainda é meu amor e sempre será.

Tão triste que os fotógrafos nos dias de hoje não sabem nem como colocar um filme em uma câmera.

Quais são os seus planos para o futuro e como você gostaria que sua foto evoluísse?

Eu gostaria de viajar para alguns lugares que eu nunca fui antes e com skatistas se possível. Quero fazer isso enquanto eu puder.

 

 


 
PORTFÓLIO DE MARCAS ADMINISTRADAS POR DROP FAMILY ®
Copyright © 2014 DROP DEAD, Todos os direitos reservados.